Cultura

Semana Farroupilha


A manhã de 20 de Setembro de 1935 é marcante na história do Rio Grande do Sul, que era conhecido como a província de São Pedro do Rio Grande, no Brasil imperial. Motivados a rebelar-se contra o modelo de estado empregado na época, líderes dos liberais como Bento Gonçalves da Silva queriam um modelo de economia e política diferentes, com maior autonomia dos estados em relação à república.

Enquanto o principal produto produzido no Brasil era o Café, a província de São Pedro produzia o charque que era utilizado na alimentação dos escravos cafeicultores de Minas Gerais e São Paulo. O Câmbio e a carga tributária eram totalmente favoráveis à importação destes produtos de países como Uruguai e Argentina tirando os gaúchos da concorrência por conseguirem, estes países, preços mais baixos para a venda do produto.

Os conflitos começaram na Ponte de Azenha, na madrugada de 20 de setembro de 1835 e perduraram até 1945. Foi a maior revolução civil já vista no continente americano. Não houve um tratado de paz pelo simples motivo de que a república do Brasil nunca considerou o estado do Rio Grande como autônomo. O que aconteceu foi uma ata assinada em 25 de fevereiro de 45 pelos generais, coronéis e majores farroupilhas que se reuniram em Ponche Verde para analisar as condições para pacificação.
Três dias após, dia 28, o chefe do exército David Canabarro foi autorizado a divulgar o fim da guerra civil mais longa da história das Américas.

Fonte: http://www.patriapampa.com